“Juro, diante de Deus e da sociedade, que farei uso do meu trabalho, conduzirei meus esforços profissionais de acordo com os princípios éticos norteadores da atividade de Relações Públicas, com responsabilidade e respeito humano e dedicarei o meu trabalho para o desenvolvimento e o bem-estar do povo brasileiro e da humanidade”. Juramento da profissão

E-mail:
Senha:

Comunicação e relacionamento com os Registrados
Esqueci minha senha

RELAÇÕES PÚBLICAS

SOU RP

Ao final de janeiro de 1914, uma companhia paulista, tendo à frente Eduardo Pinheiro Lobo, criou o primeiro departamento nacional de Relações Públicas. A empresa “The Light and Power Co. Ltd.” era, na época, concessionária da iluminação pública e do transporte coletivo na capital paulista. Este setor ficou responsável por cuidar do seu relacionamento com a imprensa, bem como com o poder público vigente, num trabalho com a opinião pública. Considerado o patrono da profissão no Brasil, o dia do nascimento de Lobo foi intitulado como o Dia Nacional das Relações Públicas, comemorado em Dois de Dezembro. Conforme o contexto político do país, que aspirava ares de democracia no final da década de 1940, muitas empresas multinacionais aqui aportaram com departamentos para as relações públicas. Na década de 1950, a profissão obteve um grande crescimento no Brasil, com empresas internacionais de experiência em comunicação.

Os meios de comunicação se desenvolveram e dez anos depois, a área de relações públicas se expandiu pelo meio empresarial e a comunicação institucional passou a ser função deste profissional de RP. A propaganda política era o ambiente quando a profissão se consolidou no Brasil, obtendo a sua regulamentação em 1967. A Secretaria de Comunicação Social foi implantada em 1979, para elaborar uma nova política de comunicação para o país. A sociedade brasileira, em meados dos anos 80, mudou mais uma vez, e neste período as Relações Públicas voltaram-se a outras organizações e movimentos sociais. Crescem então conceitos sobre o exercício das relações públicas, pela necessidade da organização se relacionar com a sociedade, que aprecia a transparência de ações empresariais, e também a Responsabilidade Social. Muitas organizações e pessoas públicas administraram, durante algum tempo, em várias sociedades, uma atividade de relações públicas própria, sem ajuda do profissional, com base no fenômeno da opinião pública.

A informação que a empresa envia para a sociedade, divulgando sobre sua a existência e campanhas, inicia o processo das relações com o público na “sociedade civil democrática”. O desenvolvimento do capitalismo monopolista foi uma transformação significante, inclusive no surgimento industrial, internacional, formando o contexto que é a raiz das Relações Públicas. Em 1967, após a regulamentação brasileira da profissão, surgiu o primeiro curso de graduação em Relações Públicas no Brasil, na ECA/USP. Os negócios, que até então estivessem incertos ou sem o estudo técnico e científico da área, contaria também com a regulamentação da profissão, já vista como muito especial ao longo do globo. É imensa a importância da legalização da profissão e do seu reconhecimento, bem como da existência de associações, conselhos e sindicatos, o que protege e fortalece a classe.

Em 21 de julho de 1954, um grupo formado por relações-públicas fundou a Associação Brasileira de Relações Públicas, com sede no Instituto de Organização Racional do Trabalho. A partir disto, alguns Estados se interessaram pela ABRP e surgiram as Seções Estaduais. Em 1965, o Presidente do Conselho Nacional da ABRP, juntamente com o Presidente da Seção Distrito Federal e outros trabalharam a fim de promover a regulamentação da profissão de Relações Públicas no país. A profissão de Relações Públicas é regulamentada pela Lei Federal 5.377 desde 1967. O Brasil foi o primeiro país do mundo a regulamentar a profissão de RP, com uma legislação específica. Além da definição das funções e atividades do relações-públicas, criaram-se as condições para o registro e fiscalização.


O relações-públicas surgiu do assessoramento profissional para o contato com a imprensa e a sociedade, a fim de transmitir as informações de empresas, expandindo à gerência da comunicação e dos relacionamentos. Este profissional deve atuar propondo ações e mudanças, de modo preventivo e em parceria com os envolvidos. A opinião pública é a base de um trabalho que tenta atingir o público relacionado com os objetivos da organização, utilizando-se das relações públicas para que a comunicação seja gerenciada. A função de gerenciamento da comunicação é exercida pelos relações-públicas na gestão da comunicação com o uso de técnicas definidas. O gerenciamento, que envolve planejamento e integração entre os públicos, pode ser feito nos canais de comunicação, pela realização da comunicação dirigida, elaboração de pesquisa de mercado, promoção e acompanhamento de eventos, coordenação de campanhas, através do planejamento, sempre com o objetivo geral de otimizar o relacionamento da empresa com seus públicos, seja pela expansão da marca, ou aumento da visibilidade e participação social.

Um relações-públicas vai situar a organização de acordo com as tendências do mercado, criando uma identidade corporativa, que deverá ser disseminada para a sociedade. A comunicação social difunde ideias, discussões, abre canais de relações entre as pessoas, constituindo os relações-públicas como fundamental para o alcance de resultados, dentro do planejamento estratégico, inclusive o aumento de produção e clima organizacional positivo. Estes profissionais são peças-chave no planejamento estratégico da organização, na comunicação integrada, que presente nas organizações propicia melhor desempenho, e para o desenvolvimento sustentável das ações internas e externas.

Atividade Profissional

Relações Públicas é uma das atividades da área de conhecimento da Comunicação, profissão regulamentada por lei e, para seu exercício, o profissional deve ter formação superior em Comunicação Social como Habilitação em Relações Públicas e registro no Conselho de sua região.

"Relações Públicas é a atividade e o esforço deliberado, planejado e contínuo para estabelecer e manter a compreensão mútua entre uma instituição pública ou privada e os grupos de pessoas a que esteja, direta ou indiretamente, ligada". Lei Nº 5.377.

Com funções administrativas, estratégicas, mediadoras e políticas (Kunsch, 2003) o profissional é responsável por planejar, implantar e gerenciar a gestão da comunicação institucional nas organizações, os relacionamentos estratégicos com os diversos públicos por meio de canais de comunicação, incluindo mídias sociais e eventos, desenvolver pesquisas e auditorias de opinião, além de relações governamentais, visando à manutenção de uma imagem positiva e garantindo a boa vontade dos públicos com relação aos seus negócios, sejam elas atividades, produtos ou serviços.

A atuação profissional concentra-se na identidade da organização e sua filosofia, tendo como foco a imagem projetada à opinião pública, participando inclusive das tomadas de decisões estratégicas para auxiliar na administração do comportamento das organizações. O Relações Públicas é o profissional responsável pela gestão da imagem e reputação das organizações, bem como pelo aprimoramento do relacionamento destas com seus públicos estratégicos. Ele pode atuar em diversas frentes, seja no setor privado, no setor público ou no terceiro setor.


Veja algumas áreas para atuação do profissional de Relações Públicas:

  • Comunicação Interna;
  • Marketing de Relacionamento;
  • Atendimento ao Cliente/Ouvidoria;
  • Gestão de Eventos Corporativos/Institucionais;
  • Relações Governamentais;
  • Relações com Investidores;
  • Comunicação Corporativa/Institucional;
  • Relações Institucionais;
  • Assessoria de Imprensa;
  • Gestão de Mídias Sociais;
  • Gestão de Imagem e Reputação;
  • Comunicação para a Sustentabilidade;
  • Relações com o Mercado.


CÓDIGO DE ÉTICA

Descrição: http://www.conferp.org.br/?page_id=35

DATAS COMEMORATIVAS

26 de setembro – Dia Interamericano das Relações Públicas
2 de dezembro – Dia Nacional das Relações Públicas


SIMBOLOGIA

A Portaria Nº 63/2003, baixada em 22 de agosto de 2003 pelo Conselho Federal de Relações Públicas – CONFERP estabelece:

JURAMENTO
“Juro, diante de Deus e da sociedade, que farei uso do meu trabalho, conduzirei meus esforços profissionais de acordo com os princípios éticos norteadores da atividade de Relações Públicas, com responsabilidade e respeito humano e dedicarei o meu trabalho para o desenvolvimento e o bem-estar do povo brasileiro e da humanidade”.

PEDRA REPRESENTATIVA
A pedra representativa da profissão é a safira. Para a pedra, a safira azul, oriunda de Sri Lanka, sudoeste Asiático, Austrália e no Leste de África ou a sua equivalente no país, a turmalina azul, denominada de Safira–do–Brasil.

COR REPRESENTATIVA
A cor representativa da profissão é o azul.
Obs: Para a impressão de peças gráficas o equivalente ao Pantone REFLEX BLUE C.

COR DA BECA E FAIXA
Os bacharéis em Relações Públicas usarão a beca da cor preta com faixa azul, no Pantone Reflex Blue C.

Justificativa da cor e da pedra
A safira azul é encontrada, basicamente, no Sri Lanka, Sudoeste Asiático, Austrália e no Leste de África. Em nosso país, a turmalina azul é denominada de safira-do-Brasil, cujos benefícios podem ser traduzidos pela canalização de energia positiva, principalmente, em processos curativos, ajudando a dissolver bloqueios mentais e emocionais.
Como a cor azul é identificada pelo seu efeito tranquilizador, o homem, em diferentes épocas, atribuiu à safira azul o poder de propiciar a paz espiritual, purificando a mente, além de servir como um instrumento facilitador para consultas sobre o futuro. À safira-do-Brasil é concebida também, a propriedade de ativar e purificar as experiências sobre o estudo espiritual do homem, potencializando seu senso criativo.
Desse modo, tanto a pedra safira como a cor azul passam a caracterizar a profissão de Relações Públicas, pois se entende que o Profissional dessa área, sendo um agente ativo na consolidação dos processos democráticos da sociedade e dos conceitos e imagens organizacionais, necessita desenvolver e aplicar tais atributos para atingir esses propósitos.

MASCOTE
O animal representativo da profissão, a mascote RP, será o Golfinho Rotador, cujo nome científico é o de stenella longirostris.

NOMENCLATURA

RELAÇÕES PÚBLICAS/RELAÇÕES-PÚBLICAS

1. Relações Públicas (sem hífen) designa a atividade.
Exemplo: Trabalha em relações públicas. Profissional de relações públicas. Conselho Federal de Profissionais de Relações Públicas.

2. Relações-públicas (com hífen) designa o profissional que trabalha na atividade.
Exemplo: "Ela é a relações-públicas da instituição." "O relações-públicas cuidou da definição estratégica de comunicação da empresa."

Gramaticalmente, observa-se que o uso do hífen se justifica quando se trata do nome composto. E é assim que se encontra grafado no novo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – VOLP.

Já a expressão relações públicas (do inglês public relations), constituída – conforme a nomenclatura da gramática normativa – de um substantivo e de um adjetivo deve continuar grafada com cada um dos seus termos independentes.

ABREVIATURA PARA RELAÇÕES PÚBLICAS
A abreviatura da expressão relações públicas foi definida a partir de solicitação de colegas profissionais dos países latinos de língua espanhola para que, no Brasil, também se adotasse a abreviatura por eles utilizada. O Conferp, pela Portaria 63, de 22 de agosto de 2003, assim definiu a questão:
“Art. 7º – (…)
I – no Brasil – RP = Relações Públicas;
II – nos países cuja língua oficial é o espanhol – RRPP = Relacionista;
III – nos países cuja língua oficial é o inglês – PR = Public Relations”.

CONFERP/Conferp – CONRERP/Conrerp
O uso da sigla em caixa alta ou em caixa baixa foi estabelecido quando da implantação da Programação Visual do Sistema. A Portaria 116, de 9 de maio de 2011, definiu que a “identidade visual de uma instituição depende fortemente da harmonia e coerência na apresentação de seu conjunto de elementos gráficos”. Com efeito, o uso de caixa alta na logomarca foi condição fundamental para que o objetivo da identidade visual fosse atingido.
Resumindo, são as seguintes as determinações daquela norma quanto às siglas:

Na aplicação da logomarca, o nome de cada conselho é grafado em letras maiúsculas: CONFERP e CONRERP/número da região.

Na referência aos conselhos, no corpo de texto, a primeira letra será maiúscula e as demais serão minúsculas: Conferp e Conrerp/número da região.